Servidores do Pará cruzam os braços no Dia Nacional de Luta

DSCN4581DSCN4582 DSCN4583 DSCN4584 DSCN4586 DSCN4588 DSCN4589 DSCN4594 DSCN4595 DSCN4596 DSCN4600 DSCN4602 DSCN4603

Os servidores públicos federais do INSS e MInistério da Saúde no Pará aderiram ao Dia Nacional de Luta e cruzaram os braços, na manhã desta quinta-feira (14). A luta é contra os ataques que os trabalhadores vêm sofrendo por parte do governo federal. Em 2015, por falta de condições de trabalho, foi firmado acordo de greve e o governo não cumpriu sua parte, e ainda aprofundou o ataque aos direitos dos servidores, principalmente com a apresentação do PLP 257/2016.

Enquanto o governo não assegura condições de trabalho adequadas para atender à população, realização de concurso público para reposição de pessoal, melhorando o atendimento, a população sofre as consequências pois tem que ficar em longas filas de espera no INSS, na Saúde e Ministério do Trabalho.

Enfrentando grave crise política e institucional, o governo federal não consegue sair desta estagnação que prejudica a economia, a geração de empregos e o desenvolvimento nacional, promovendo uma recessão sem precedentes que prejudica todo o país.

Segundo Ana Maria Magalhães, diretora do SINTPREVS/PA, o movimento é contra o desrespeito do governo. “Estamos na luta para manter a dignidade no trabalho e a qualidade no atendimento à população. Nós gostaríamos que o governo tivesse a mesma disposição para ficar votando contra ou a favor do impeachment, para resolver os problemas do desmonte que estão fazendo no país”.

Para o diretor Antônio Maués, é importante que a categoria e a população com um todo fortaleça o movimento. “Na luta nós conseguimos conquistar algumas coisas, como foi o caso do acordo para o cumprimento da meta do IMA/GDASS, que o governo queria que cumpríssemos em 45 dia, mas nós brigamos e conseguimos aumentar para 60. Essa meta inicial era impossível de ser cumprida”.

O abandono na saúde também fez parte das falas e das reivindicações durante a paralisação. “Não temos condições de trabalho nos postos. A saúde e o país inteiro estão abandonados. Estamos com surto de H1N1 e não tem Tamiflu para dar para todas as pessoas. A população em geral deveria ser contemplada com a aplicação da vacina e não uma parte dela”, afirmou Carlos Santos, diretor do SINTPREVS/PA e servidor do Ministério da Saúde.

Confira abaixo a pauta de reivindicação dos trabalhadores:

• Contra o desmonte do INSS e dos ministérios do Trabalho e Previdência
• Pela aprovação do Projeto de Lei 4250/15 (Acordo de Greve);
• Contra a redução e congelamento de salários;
• Cumprimento integral dos Acordos de Greve;
• Suspensão do ciclo de avaliação do IMA/GDASS
• Contra a aprovação do Projeto de Lei 257/16;
• Contra a Reforma da Previdência;
• Melhores Condições de Trabalho;
• Concurso Público Já!

*Com informações da Fenasps

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*